TRT-9ª – Empresa não terá de indenizar funcionário que foi assaltado enquanto ia para o trabalho

abril 16, 2015
admin
CompartilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter0Email this to someoneShare on Google+0Share on LinkedIn1Pin on Pinterest0Print this page
businessman grasped in hostages.

O Tribunal Regional do Trabalho do Paraná afastou a responsabilidade da A. Comércio de Alarmes Eletrônicos Ltda, de Foz do Iguaçu, pelo assalto sofrido por um funcionário enquanto se deslocava de casa para o trabalho. O entendimento é dos desembargadores da Sétima Turma, que confirmaram a decisão da juíza da 1ª Vara de Foz do Iguaçu, Érica Yumi Okimura.

Segundo a versão do fiscal de alarmes, ele já tinha voltado para casa depois de um turno de trabalho quando foi convocado para uma reunião na sede da empresa. Ao se dirigir de moto para o local, sofreu o assalto, que resultou em um tiro no abdome.

O trabalhador, que teve sua capacidade laborativa reduzida para atividades que envolvem levantamento de peso, acionou judicialmente a empresa pedindo o pagamento de pensão mensal vitalícia e indenização por danos morais.

No entendimento dos desembargadores da Sétima Turma, a responsabilidade civil por acidente de trabalho, mesmo típico, exige a comprovação da culpa do empregador no infortúnio. Para os julgadores, ainda que no caso analisado tenha havido dano, “não se vislumbra culpa patronal e sequer nexo causal entre os alegados danos e a ocorrência delituosa”.

Os magistrados destacaram no texto do acórdão que, mesmo que o funcionário estivesse em deslocamento de casa para o trabalho, a empresa não contribuiu de modo algum para a prática do delito, nem poderia adotar qualquer medida para impedir o incidente.

“A incumbência de combater o crime e garantir a segurança pública dos cidadãos é dever do Estado (art. 144 da CF), não se inserindo no âmbito do poder diretivo das Reclamadas”, afirmou o relator, desembargador Ubirajara Carlos Mendes, ressaltando que a empresa não praticou qualquer ato ilícito.

A decisão de segunda instância, da qual cabe recurso, manteve a sentença de primeiro grau, afastando a obrigação da A. Comércio de Alarmes e de outras duas empresas do grupo, a B. V. R. e Cia Ltda e a B. V. R., de indenizar o fiscal de alarmes.

Processo 00735-2013-095-09-00-4

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>